Você está aqui: Página Inicial > Contents > Destaques > Pesquisa da UFPB em parceria com UFGD descobre nova espécie de peixe piaba
conteúdo

Notícias

Pesquisa da UFPB em parceria com UFGD descobre nova espécie de peixe piaba

publicado: 03/01/2020 18h35, última modificação: 21/01/2022 17h54
Nova espécie foi descoberta no rio Salobra, em Nobres, no Mato Grosso
Rio Salobra em Lago Azul, tributário do rio Cuiabá em Nobres, MS, bacia do rio Paraguai. Foto: M. A. Junghan
Rio Salobra em Lago Azul, tributário do rio Cuiabá em Nobres, MS, bacia do rio Paraguai. Foto: M. A. Junghans

Um estudo coordenado pela pesquisadora da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Profa. Manoela Marinho e pelo pesquisador da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) Prof. Fernando Dagosta foi responsável pela descrição e catalogação de uma nova espécie do peixe piaba, que é um tipo de peixe encontrado nos rios do Brasil. A nova espécie foi descoberta no rio Salobra, em Nobres, ponto turístico do Mato Grosso.

Durante três anos, a pesquisa foi conduzida no Laboratório de Sistemática e Morfologia de Peixes do Departamento de Sistemática e Ecologia (DSE) do Centro de Ciências Exatas e da Natureza (CCEN) da UFPB. No laboratório, as características anatômicas externas (coloração, quantidade de escamas, raios de nadadeiras) e internas (ossos) foram estudadas e comparadas com outras espécies do grupo. Também foram realizadas observações subaquáticas da nova espécie. 

Astyanax nobre, a) machos b) fêmeas

Batizada como Astyanax nobre – em referência ao município onde foi encontrada, Nobres, no Mato Grosso , a nova espécie se diferencia das outras, principalmente, pelo padrão de coloração, que consiste em uma faixa médio-lateral escura fina e bem definida no corpo, estendendo-se da cabeça até a base da nadadeira caudal, e também por possuir uma mancha umeral verticalmente alongada. Em vida, Astyanax nobre possui as nadadeiras caudal e dorsal alaranjadas e a parte superior do olho vermelho.

Segundo a Profa. Manoela Marinho, do Departamento de Sistemática e Ecologia da UFPB, é crucial que todas as espécies sejam descritas e catalogadas para que, dessa forma, sejam conhecidas e preservadas. A pesquisadora explicou que a descoberta de uma espécie nova em um ponto turístico subaquático, relativamente próximo a um grande centro urbano, mostra que mesmo as espécies de peixes observadas diariamente por centenas de pessoas em águas límpidas podem não ter uma identidade taxonômica formal.

 Profa. Manoela Marinho/Departamento de Sistemática e Ecologia

O projeto contou com financiamento da Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado da Paraíba (Fapesq), em parceria com a Secretaria de Estado da Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba (Seect).

“A descoberta evidencia o quanto a megadiversa ictiofauna de água doce brasileira ainda precisa de esforços adicionais de coleta e investimentos para identificar e descrever novos táxons (sistemas de classificação científica). Assim, podemos compreender o mundo natural e preservá-lo”, destacou a Profa. Manoela sobre o estudo que teve sua amostragem realizada no Recanto Ecológico Lagoa Azul, em Bom Jardim, no Mato Grosso.

A pesquisadora pontuou que, sem as coleções científicas do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (USP) e da UFPB, a pesquisa seria impossível de ser realizada, pois não haveria material comparativo disponível para compreender se, de fato, trata-se de uma nova espécie.

“As universidades no Brasil são as principais responsáveis por manter as coleções biológicas, que são acervos de material botânico e zoológico utilizados para fins diversos, como educação, saúde, conservação e pesquisa científica”, destacou.

Astyanax nobre. Foto: W. Ohara
* * *
Reportagem: Mariani Idalino
Edição: Aline Lins
Fotos:  M. A. Junghans/W. Ohara