Você está aqui: Página Inicial > Contents > Destaques > Projeto de Pesquisa da UFPB oferece drenagem linfática gratuita para gestantes
conteúdo

Notícias

Projeto de Pesquisa da UFPB oferece drenagem linfática gratuita para gestantes

publicado: 03/02/2020 15h00, última modificação: 28/09/2022 19h31
Ação objetiva auxiliar no tratamento do edema gestacional, buscando promover o bem-estar entre gestantes

Foto: Pixabay

Um projeto de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) está oferecendo, gratuitamente, sessões de drenagem linfática para gestantes. 

A ação objetiva auxiliar no tratamento do edema gestacional, buscando promover o bem-estar entre gestantes que durante a gravidez desenvolveram o inchaço, principalmente em membros inferiores. 

Ao todo, estão sendo disponibilizadas 40 vagas. Para participar é necessário atender a alguns critérios. A gestante precisa ter entre 18 e 34 anos; estar entre a 27ª (vigésima sétima) e a 38ª (trigésima oitava) semana de gestação; apresentar edema (inchaço) nos membros inferiores e não apresentar lesões cutâneas na área de membro inferior.

Também é importante  que a gestante não apresente fatores de risco individual como hipertensão, diabetes gestacional,  insuficiência renal ou patologias cardíacas, vasculares e pulmonares.

A gestante que se voluntariar e estiver dentro dos critérios irá receber a drenagem linfática manual, a aplicação do kinesiotaping (bandagem elástica que promove estímulos sensoriais e mecânicos duradouros e constantes na pele) ou as duas intervenções juntas. Para participar basta entrar em contato com a pesquisadora responsável, Francielly Santos, por meio do telefone: (83) 999832817 ou por e-mail: francielly.natanaelly@gmail.com.

As inscrições seguirão abertas até que o total de vagas disponibilizadas seja preenchido. Após cadastro, a voluntária precisará marcar os dias de atendimento, comparecer na data previamente marcada e retornar para avaliação. 

Sendo realizadas as sessões específicas, serão disponibilizadas às participantes, uma vez por semana até o final da gestação, novas sessões de drenagem linfática manual, as quais serão realizadas pelo projeto de extensão “Para além da estética: ambulatório de Fisioterapia Dermatofuncional e Nutrição Estética”.

A atividade contribuirá para uma análise que está sendo feita dentro de um estudo no qual será avaliado se a drenagem linfática com Kinesiotaping seria tão eficaz quanto a Drenagem Linfática Manual.

Intitulada de “Drenagem Linfática e Taping no Tratamento de Edema em Gestantes: Ensaio Clínico Aleatorizado e Controlado”, a pesquisa, desenvolvida desde setembro de 2021, é vinculada ao Centro de Ciências da Saúde (CSS) e à Liga de Estudos em Fisioterapia Dermatofuncional ( LEFIDEF/UFPB).

O estudo faz parte do desenvolvimento da dissertação de mestrado da pesquisadora e fisioterapeuta Francielly Natanaelly Andrade dos Santos, sob orientação da Profa. Palloma Rodrigues de Andrade. As graduandas Paula Thaíza e Loyse Karinne são as colaboradoras. 

Conforme a pesquisadora Francielly Andrade, durante a gestação o inchaço é uma das principais queixas entre as mulheres. “Como o edema gestacional está entre as principais queixas durante a gravidez , causando desconforto e dor para a gestante, esse estudo busca uma nova terapia que auxilie na redução do edema, gerando uma sensação de bem-estar nas mulheres em um momento tão importante de suas vidas”.

Como explica a mestranda, a drenagem linfática pode trazer para a gestante uma série de benefícios, como a diminuição do edema nas pernas e pés e a redução da sensação de cansaço nos membros inferiores.  “As sessões geram relaxamento do corpo, melhoram a circulação sanguínea, a nutrição das células e tecidos e, assim, atuam na diminuição da dor e na melhora da qualidade de vida da futura mamãe”.

Ainda segundo a pesquisadora Francielly Andrade, caso a hipótese seja comprovada, fisioterapeutas poderão passar a utilizar em suas pacientes gestantes uma nova opção de recurso físico para tratamento de edemas. Posteriormente, a pesquisa será publicada em revistas científicas, o que contribuirá com os estudos na área.  

* * *
Reportagem: Mellody Oliveira
Edição: Aline Lins
Foto: Pixabay